5 de jul de 2013

Sorry!

VOU FICAR UM TEMPO SEM POSTAR PORQUE ESTOU ME MUDANDO E MEU PAI AINDA NÃO SABE QUAL INTERNET COLOCAR...
ENTÃO POR ENQUANTO EU VOU ESCREVENDO A FIC E QUANDO A NET CHEGAR EU JURO QUE JÁ VENHO POSTAR. 
Obrigada amo vocês <3

XOXO,JESSIE.

25 de jun de 2013

Desejos Secretos - Eu te amo. [25]


|Seu Nome| Narrando.....

Logo depois que Justin saiu, meus pais entraram e minha mãe veio correndo me abraçar.

Lory: filha como se sente? –ela disse e percebi a preocupação em suas palavras.
Você: estou bem mamãe. –disse pesadamente e forcei um sorriso em seguida.
Lory: mas o que estava fazendo nessa parte da cidade? –ela disse e eu abaixei a cabeça, pensando em uma resposta.
Você: é que o shopping daqui estava com algumas liquidações e eu vim ver. –disse simplesmente.
Lory: tudo bem querida, mas já se sente bem para podermos ir pra casa? –ela perguntou com aquele meio sorriso.
Você: sim mamãe. –disse e a abracei novamente. – papai? –o chamei e depois de alguns segundos ele me olhou.
Richard: sim querida? –ele sorriu, mas percebi que ele estava pensativo.
Você: podemos ir embora? –eu perguntei tentando quebrar o clima tenso que parecia estar sobre nós dois.

Em menos de uma hora eu estava em casa, meu celular não parava de vibrar, porque a todo instante Justin me mandava uma mensagem, mas eu não respondia. Isso já estava me enchendo à paciência então decidi desligar o celular e descer para jantar.
Minha mãe tinha feito uma bela de uma sopa reforçada, ela dizia que eu precisava de proteínas para me recuperar e disse que no dia seguinte iria à escola avisar sobre meu acidente. Logo depois que terminei coloquei meu prato na pia e depositei um beijo na bochecha de cada um e subi novamente para o meu quarto. Peguei meu notebook e me sentei na cama escorando minhas costas na cabeceira da mesma.

Abri meu facebook encontrando algumas coisas que me fizeram rir, como uma foto da Sunny com uma careta hilária. Fui a pagina de amigos e vi uma solicitação de amizade, olhei e me deparei com o nome Justin Bieber, decidi aceitar e ver o que ele me mandaria. Fiquei mais alguns minutos e depois sai, por conta da dor que já estava sentindo nas costas.
Guardei no criado mudo, ao lado da cama e peguei meu celular o ligando e vendo que tinha mais de dez mensagens, comecei a ler. E quando chegou a ultima sorri com o que vi escrito.

“Por favor, não desiste de nós eu descobri que... eu te amo.”

Não queria responder tal mensagem, porque ele pensaria que eu já o havia perdoado, então apenas coloquei o celular de baixo do travesseiro, deitei no mesmo e me cobri. Logo senti minhas pálpebras pesarem e apaguei.

 
Justin Narrando...

Eu estava acabado, literalmente. Não queria acreditar que ela pediu um tempo. Eu não deveria ter me deixado levar pelo calor do momento com Lizzy, aquela vadia. Chegando em casa a única coisa que consegui fazer foi quebrar tudo que me tivesse a frente, eu estava explodindo de raiva, no tempo que consegui me acalmar, tomando um banho relaxado. Peguei meu celular e não parei de mandar mensagens pra |seu nome|.
Era uma mensagem atrás da outra.
Já estava escurecendo e eu não queria ficar em casa, então me arrumei e peguei meu carro partindo sabe Deus onde.

Dia seguinte.

Acordei no dia seguinte com a luz batendo sobre meu rosto, tentei abrir meus olhos mas a claridade era forte e então joguei o travesseiro na cara e tentando dormir novamente. Mas levantei correndo, me lembrando que hoje ainda tinha que dar aula e assim peguei meu celular olhando a hora, 11:33hr Am. Droga, a diretora iria me matar céus. Decidi ligar para a escola e avisar que não poderia ir à escola a semana inteira, por causa de uma gripe forte que me atacou.
Depois de terminar a ligação, fui direto ao banheiro entrando de baixo da água morna, deixando toda tensão que estava carregando ser levado ralo a baixo. Enquanto tomava banho, pensava no que poderia fazer para ganhar o perdão de |seu nome|, sei que ela precisa pensar, mas eu tenho que reconquista-la. Decidi que iria a floricultura, então quando terminei de tomar banho fui até o closet pegando uma roupa qualquer e a vestindo, me olhei no espelho e arrumei meu cabelo passando um perfume logo após. Peguei as chaves do carro e minha carteira e saindo porta á fora, peguei o elevador e apertei o botão do térreo. Fui até o estacionamento e destravei meu carro entrando e batendo a porta. Coloquei a chave na ignição e dei partida saindo do prédio.
Fui até a floricultura, a mais cara por sinal. Estacionei e sai entrando na loja. Estava olhando algumas rosas e tulipas, elas estavam tão lindas. Não a conhecia tão bem para saber qual flor ela gostará. Então escolhi levar rosas, tulipas e margaridas. Falei pra atendente, quais eram e que se poderiam ser entregues.
Pedi alguns buquês das quais escolhi, e lhe dei o endereço, deixando um cartão em seguida.

Sai da loja feliz, com isso acho que ela me perdoaria. Ou pelo menos voltaria a falar comigo. 


CONTINUA.... 

Hello people. Tudo bem love? Espero que sim, eu nem demorei tanto, não é? Comentem e me deixem felizes *-* , amo vocês. Beijo beijo.

XOXO,JÉSSICA. 

18 de jun de 2013

Desejos Secretos - Você foi um erro. [24]

Justin Bieber Narrando....

Quando os pais dela chegaram eu fiquei intacto, não queria que eles desconfiassem que eu era o motivo dela estar aqui, fiquei sentado na sala de espera apenas observando os pais dela, a mãe dela estava se pergunta como aconteceu e porque ela estava nesta área da cidade. A casa dela não era tão longe, mas também não era tão perto assim do meu apartamento. Eu estava quase tendo um ataque de tanta ansiedade, eu não podia ir ao seu quarto, porque os pais dela não me conhecem.
Fiquei mais ou menos meia hora, sentado junto aos pais da |seu nome| só que claro, longe. Até que vejo o médico se aproximando, ele foi até os pais da minha pequena, e eu disfarçadamente levantei ficando um pouco mais próximo.

Dr° Drummond: boa tarde senhores Collins, sua filha está bem, sofreu pequenos arranhões pelo corpo, mas quando o carro a atropelou o impacto que deu a fez bater a cabeça fortemente contra o asfalto. - dizia o médico analisando sua prancheta com os dados.
Senhorita Collins: o que isso quer dizer doutor? -a mãe de |seu nome| perguntava preocupada.
Dr° Drummond: ela precisa de repouso, recomendo que ela fique em total repouso por pelo menos uma semana, sem sair pra nada e de preferência apenas deitada. -ele dizia aquilo e eu via nos olhos dos senhores Collins a preocupação.
Senhor Collins: podemos vê-la? -ele perguntou abraçado a senhorita.
Dr° Drummond: não recomendo agora. -disse e foi se virando. - preciso ir, até.

E se foi enquanto eu estava pasmo, me levantei e fui até a recepção perguntando, a moça que tinha me atendido mais cedo, em que quarto |seu nome| se encontrava.

Moça: desculpe senhor, não posso lhe fornecer essa informação. -disse e deu um meio sorriso.
Justin: por favor moça, eu preciso vê-la, ela não é minha amiga, ela é minha namorada. -disse e ela me olhou confusa.
Moça: mas porque então os pais dela não podem saber que você está aqui? -ela perguntava sem entender.
Justin: porque eu sou um pouco mais velho que a filha deles, por favor moça me diga onde ela está? -ela deu um leve suspiro e longo em seguida sorriu.
Moça: tudo bem, ela está no quarto 202 no terceiro corredor, segundo piso. -disse e eu sorri.
Justin: obrigada moça de verdade. -disse e sai antes dela dizer algo mais.


Corri logo para o elevador, apertando inúmeras vezes, esperei alguns segundos batendo o pé freneticamente no chão, quando a porta do mesmo se abriu entrei e novamente apertei o botão, mais longos minutos dessa vez e a porta de novo se abre no segundo piso, andei até o terceiro corredor e fui procurando pelo quarto 202.
Quando achei, olhei pela porta onde tinha uma pequena janela e a vi, deitada inconsciente e girei a maçaneta e entrei, andei lentamente até ela e sentei na beirada da cama pegando em sua mão. Comecei a falar com ela.

Justin: olha não sei se está me ouvindo, mas eu quero que me desculpe, eu não sei porque fiquei com Lizza, ela não é minha namorada, ela é minha prima. Quando eramos adolescentes a gente se pegava as vezes mas era só isso, eu nunca a pedi em namoro, você é praticamente a primeira namorada seria, que eu quero ficar pra toda a vida. Sei que não sou bom com palavras, alias nem sei se está me ouvindo. -parei de falar e a fiquei encarando.



|Seu Nome| Narrando...

Estava escutando uma voz, mas não conseguia abrir meus olhos, então apenas fiquei escutando. Eu reconhecia aquela voz, era Justin.

Justin: olha por favor me perdoa, eu queria que eu estivesse agora no seu lugar, a gente nem começo a namora e eu já te magoei, mas por favor me perdoa. -ele dizia e percebi que sua voz estava chorosa, como se ele estivesse segurando o choro. Não aguentando escutar tal cena, tentei me mexer, e finalmente consegui abrir os olhos, vendo os olhos deles brilharem. - ai meu Deus, você acordou. -ele disse e tentou me dar um selinho mas virei o rosto, fazendo ele me dar um beijo na bochecha. - o que foi babe? -ele perguntou com aquela voz rouca.
Você: o que foi? Você ainda tem a cara de pau de perguntar? - disse já ficando estressada e sentei na cama, tirando todos aqueles fios que estavam enfincados em mim.
Justin: hey, calma não pode tira babe. -aquele novo apelido com certeza me fazia arrepiar.
Você: eu não quero te ver, aliás porque está aqui? -perguntei fria.
Justin: porque você está desse jeito? -ele perguntou rude.
 Você: Ah' nada, só que a gente nem começou a namorar e você já me colocou um belo par de chifres né? -eu estava a ponto de explodir com tanta ironia.
Justin: ela não é minha namorada, é apenas uma prima que me inferniza desde de minha adolescência. -foi a vez dele dizer tudo rápido e quase explodindo.
Você: Ah' então toda vez que ela vim te inferniza, você simplesmente vai ceder o que ela quer? - eu estava a ponto de gritar e bater pra ver se algo adiantasse.
Justin: por favor, mantenha a calma você não está totalmente bem pra ficar se estressando desse jeito. -ele tentava dizer tudo calmamente.
Você: como posso manter a calma se meu namorado me traiu. -eu disse e ele ficou quieto e abaixou a cabeça.
Justin: por favor, me perdoa. -ele disse quase num sussurro.
Você: quem me garante que você não vai fazer de novo? Eu preciso de um tempo pra pensar. -eu disse e algumas lagrimas rolaram por minha face. - eu acho que você foi um erro na minha vida. - eu disse pesadamente e dei um longo suspiro, ele me olhou sem acreditar.
Justin: por favor não diz isso babe. -ele disse novamente com a voz meia rouca, tentando conter que sua voz saísse chorosa.
Você: como não dizer se você já conseguiu me magoar?
Justin: me da mais uma chance amor. -ele pediu segurando minhas mãos.
Você: eu preciso de um tempo pra pensar. -disse e foi a vez dele suspirar.
Justin: tudo bem, eu vou te respeitar. -ele disse e se levantou caminhando até a porta.

Mas antes dele sair, corri até ele lhe dando um longo selinho, o que o fez sorrir. E logo em seguida fechar a porta.


CONTINUA... +5COMENTARIOS.

Hello people, tudo bem? demorei? acho que não k k k ... o que acharam ? eu gostei desse capitulo, tentarei não demorar a postar, MAS estou triste. Os comentários caíram demais, e eu sei que demoro mas poxa vamo comentar né? Por favor comentem,, a antes de dar tchau, eu coloquei uma moderadora no blog *O* o que acharam dela? COMENTEM NA IB DELA TAMBÉM U__U. Enfim, beijo beijo.

XOXO,JÉSSICA.